Colaboração Alexandre Cury

 

“Não há duas formas iguais de passar a quarentena, mas todas são cheias de lições como temos visto em depoimentos nas redes sociais. Há os que dizem terem se tornado mais pacientes, mais empáticos e até quem queira sair desta para um novo estilo de vida.”

“O que você já aprendeu no isolamento  que vai levar consigo para o resto da vida?”

Confira o que nossos entrevistados responderam:

 

“Aprendi que devemos viver o “agora”, que de nada adianta pensar no passado, e muito menos no futuro, pois ele é totalmente incerto. O distanciamento social nos obriga a sermos mais pacientes, a controlar nossas ansiedades e assim vamos vivendo um dia de cada vez, sem saber o que vai ser do amanhã. É simplesmente como subir por uma escada pela primeira vez, porém totalmente no escuro, degrau por degrau, sem saber onde é, e quando vamos chegar. Mas certos que chegaremos em algum lugar.”

Alexandre Assump̤̣o РDecorador

 

 

“Com certeza, uma das lições mais importantes que tive no isolamento foi perceber o que realmente devo priorizar. Esse momento está sendo muito importante para repensarmos em nossas prioridades e dar valor ao que realmente nos importa, é tempo de se conectar consigo mesmo, com nossas crenças e valores para que, a cada dia, possamos ser um ser humano melhor!”

Maria Cecília Januário – Estudante de Direito

 

 

“Na verdade essa quarentena veio reforçar o quanto precisamos ser solidários, tolerantes, equilibrados, ter paciência e serenidade, agora mais do que nunca, para que a gente possa conduzir tudo isso da melhor maneira possível. Apesar desse isolamento ter nos afastado de quem tanto prezamos como a família e queridos amigos, pra mim não tem sido tanto sacrifício, devido à minha fé em Deus, e de que tudo isso vai passar e principalmente por estar no que considero o melhor lugar do mundo: minha casa.”

Maria Beatriz Lima Borges – Voluntária

 

 

“Acredito que aprendi duas lições valiosas. A primeira remete a disciplina, porque hoje não há “falta de tempo” para exercitar obrigações/planos/metas que sempre deixamos de lado, e a segunda é mais profunda, porque trata da capacidade de nos redescobrirmos constantemente. A pandemia mostrou que há situações repentinas que mudam o cenário de muitas coisas na nossa vida, e a famosa habilidade adaptabilidade (se adaptar rapidamente as transformações do mundo), nunca se mostrou tão necessária.”

Rafael Amador Silva – Educador comercial

 

 

“Neste período de isolamento social tenho aprendido a viver a vida com mais leveza, a me cuidar mais e a aproveitar este tempo para aprender; seja estudando matérias relacionadas com a arquitetura ou me aventurando na cozinha (risos).  A construção civil não parou, contudo estamos reinventando a maneira de trabalhar, e como tudo está acontecendo ao mesmo tempo, isto têm sido feito com muita paciência, carinho e determinação. Eu que sempre vivi a arquitetura 25 horas por dia, tenho encarado como um grande desafio a ser vencido. Tanto esta nova vivência de trabalhos online e as aventuras na cozinha com certeza farão parte da minha vida para sempre!”

Cláudia Ribeiro – Arquiteta e Urbanista

 

 

“Nesse período de isolamento, segue um pouco sobre o que venho refletindo… Estamos sempre tomados pela correria que a vida se tornou, e no meio desse turbilhão de eventos, condições, rotina, tudo parece inevitável, pré-definido. Agora imagine sermos obrigados a parar, sem negociações, sem desculpas. Até mesmo porque não há com quem se brigar. Estamos lidando com a saúde e a vida de quem amamos.
É uma frenagem brusca, assustadora e com possibilidade de grande desastre. E querendo ou não, somos postos a parar, pensar, e se estivermos dispostos, a perceber coisas que não tínhamos “tempo” para perceber antes. Perceber que somos frutos de uma construção social e que a não possibilidade de se conectar não é algo agradável (apesar de sempre reclamarmos e reivindicarmos momentos sozinhos). Percebemos que o prazer do contato, da aproximação, da conexão, tem mais valor do que compreendia a nossa vã filosofia da rotina. E a partir daqui não tem volta. Todos que estão passando conscientemente e passivamente desse período de caos da conexão social, do evento que marca o início dessa década, estão, inevitavelmente, mudados da visão de mundo. Pois essa provação será marcante na história da humanidade.”

Arthur Matos – Fotógrafo

 

 

“Aprendi com o isolamento que a gratidão deve existir em todos os momentos! Sejam eles bons ou ruins devemos ser gratos pelo que temos, pelas pessoas em nossas vidas e por quem somos. A gratidão é meu sentimento preferido nesse momento, não sabemos o que o futuro nos reserva, mas sei que hoje sou muito grata a Deus por tudo que proporciona a mim e minha família. Pretendo dar mais importância as pequenas coisas e aprender com os obstáculos da vida.”

Fernanda Rôso – Estudante de Medicina

 

 

#SalveJorge

 Querido primo Jorge Alberto Nabut recebe homenagem antecipada da coluna pelo aniversário dia 15 de maio. Uma das maiores inteligências da cidade, Jorge tem se revelado ainda mais criativo nesta era de home office.

Parabéns!!

Jorge Alberto Nabut, aniversariante do dia 15

 

#VivaaLélia

Lélia Bruno soprou velinhas dia 8, e ganhou “mil cumprimentos” on line, especialmente da neta Ana Ciabotti. Parabéns!!

Lélia e a netinha Ana Ciabotti

 

#DeniseTahan

Linda e amada Denise Tahan estreia nova idade dia 14, e recebe o carinho especial da família e dos amigos. Grande beijo a essa sobrinha do coração.

A querida Denise Tahan

 

#Mari

 Mariângela Destro soprou velinhas no último sábado, dia 09, e recebeu o carinho especial da família via videochamada. Querida por todos, recebeu inúmeras mensagens e presentes. Felicidades e que continue com essa alegria de viver!!!

A querida Mariângela Destro

 

#NiverHoje

 Soprando velinhas hoje, o querido estilista Sérgio Amaral. Receba o carinho especial dessa coluna. Grande abraço!!!

Estilista Sérgio Amaral

 

 

Reflexão da Semana

 “O amor é a força mais sutil do mundo.”

Mahatma Gandhi

 

Acesse também em: www.jmonline.com.br

Publicado em 11/05/20

O que é MD Codes

É uma técnica de preenchimento revolucionária que está sendo usada no mundo todo. Este tratamento busca o rejuvenescimento facial de uma forma mais natural e com resultados superiores aos dos outros tratamentos feitos com ácido hialurônico

Diferente dos métodos comuns e tradicionais de preenchimento o MD Codes não proporciona apenas resultados pontuais, mas sim a solução mais efetiva com o intuito de beneficiar e satisfazer os clientes.

Para que serve o MD Codes

O MD Codes é indicado para homens e mulheres que buscam rejuvenescimento facial, volume e sustentação da pele de forma mais efetiva e natural. A técnica pode ser utilizada no rosto inteiro, mas as regiões mais buscadas são: sobrancelhas, olheiras, testa, bigode chinês, queixo e bochechas.

Benefícios do MD Codes

A técnica para aplicação do MD Codes é simples, rápida e a recuperação é imediata. A grande vantagem do MD Codes é não alterar a sua imagem, ele apenas camufla o que está em excesso. Não há mudanças drásticas na fisionomia, portanto não tira a identidade da pessoa, apenas atenua as marcas do tempo. Os produtos e a técnica da Pró-Corpo permitem resultados naturais e duradouros.

 

 

Publicado em 13/11/19

A toxina botulínica popularmente conhecida como botox é uma toxina produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum. É a mesma bactéria causadora da doença botulismo, mas a toxina botulínica industrializada é purificada e usada em doses que não causam a doença. A toxina é aplicada no músculo e provoca o relaxamento da região.

Os órgãos de vigilância sanitária determinam as possibilidades de utilização desta substância para diferentes situações em cada país. Aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 1992, o botox tornou-se a primeira toxina botulínica registrada no Brasil e, desde então, tem recebido um número progressivo de indicações estéticas e terapêuticas, como no uso do tratamento para a hiperidrose.

O botox para uso estético é indicado para suavizar as rugas e linhas de expressão do rosto. Entre as linhas tratadas estão as rugas da testa, a glabela (espaço entre as sobrancelhas) e, os pés de galinha, rugas que se formam na região dos olhos. Para sulcos ao redor dos lábios, entre eles o famoso bigode chinês – linha que se forma entre o nariz e o canto da boca – o mais recomendado é o preenchimento facial, pois é uma região de bastante movimento e não é possível atuar na musculatura sob pena de deixar o rosto paralisado.

A principal motivação para este tratamento estético é o incômodo gerado pelas rugas ao paciente. Em comparação com cremes para rugas e linhas de expressão, o botox costuma trazer resultados mais visíveis.

As rugas aparecem devido ao envelhecimento facial, que ocorre por idade, exposição solar inadequada, má alimentação e tabagismo, entre outros. Mas o fator imprescindível para seu aparecimento é a contração natural dos músculos do rosto, que formam as chamadas linhas de expressão, entre outros. Por exemplo: muitas pessoas tem o hábito de franzir a testa ao se expressar, mas com o passar do tempo essa contração dos músculos da região gera vincos horizontais na pele. O mesmo acontece com as rugas ao redor dos olhos – resultado da tensão gerada quando sorrimos ou forçamos a vista, por exemplo.

Quando é injetada nessas rugas, a toxina botulínica age como um bloqueador neuromuscular, ou seja, bloqueando a transmissão de estímulos dos neurônios para os músculos, impedindo, parcial ou totalmente, a contração muscular.

 


 

Ana Vera Abdanur

Shopping Urbano Salomão piso 2 sala 49 (Entrada pela Vigário Silva)

33120516 / 991189818

 

Publicado em 04/10/18

 

 

FB_IMG_1523033366260-1.jpg

Publicado em 06/04/18

Alfajor líquido (receita de Angela Mairink)

 

Ingredientes (8 porções)

750g de doce de leite (boa qualidade)

600ml de creme de leite fresco

300gr de biscoito maisena triturado

360gr de chocolate meio amargo ralado

Preparo:

Na panela derreta o doce de leite e o creme de leite; retire e deixe esfriar. Coloque essa mistura em uma taça e leve para gelar; deixe um espaço na taça para os outros ingredientes. Triture o biscoito no liquidificar e rale o chocolate. Depois que gelar espalhe uma camada de biscoito e enfeite com o chocolate.

Angela Mairink preparou esta sobremesa para um almoço de trabalho

Publicado em 03/03/18

Do interior do Maranhão para Uberaba, com reconhecimento nacional em São e em  Portugal, o artista plástico Reginaldo Pereira está com tudo para explodir internacionalmente. Sua próxima exposição – com chancela da Embaixada do Brasil na Bélgica – será em Bruxelas, onde ele deverá permanecer por mais de um mês. Vernissage acontecerá no próximo dia 8 de março, às 18 horas e permanecerá aberta à visitação até 9 de março de 2018 na Casa do Brasil – Avenue Louise 350, de segunda a sexta-feira das 10h30 às13 horas e das 15 às 18 horas. Antes disso, conversei longamente com Reginaldo, que honrosamente nos concedeu esta entrevista. Na qual ele revela detalhes da sua bela trajetória, fala das suas fontes de inspiração permanentes e nos encanta não apenas com suas pinceladas, mas também por sua poética espontaneidade.

 

1 РComo, quando e onde voc̻ pegou pela primeira vez num pincel?

Nos meus primeiros anos de vida eu e meus pais passamos um tempo em uma fazenda. Vivámos cercados por muitos rios, pássaros, animais selvagens de varies espécies, uma floresta linda e eu adorava aquele lugar. Aos meus 6 anos minha mãe foi embora, nos deixando na cidade de Bom Jardim, interior do estado do Maranhão. Quando completei 8 anos, meu pai faleceu. Senti-me órfão, mas minha avó querida e outros familiares paternos cuidaram de mim, embora sem incentivo algum para o mundo das artes.

Mas desde os 7 anos de idade comecei a ter um grande interesse por desenhos. Sozinho, eles me confortavam, me traziam momentos felizes. Toda vez que eu via uma estrela riscar o céu, eu logo pedia: Quero e ainda vou ser um grande artista!!! E assim por muitas vezes isso me trazia esperança, pois eu era uma criança muito triste.

Eu pintava em cartolinas, tecidos, papel em geral, sempre material simples. Aos 18 anos fui para Imperatriz (cidade com 300 mil habitantes) morar com minha mãe, na esperança e de que lá poderiam surgir oportunidades.

 

2- Do interior do Maranhão para Uberaba, conte brevemente sua trajetória.

Passado um tempo fui me aperfeiçoando na pintura, na Escola de arte da Sra. Penha Cimadon, onde fazia muitos trabalhos de pintura em tecido e desenhos. Nesse tempo eu conheci a Sra. Maria Alice Franco Assunção (a Licinha) que era de Uberaba e morava há alguns anos em Imperatriz. Decoradora, ela fazia belos trabalhos e promovia boas exposições coletivas. Me passou muitas informações e muito incentivo. Foui uma das primeiras pessoas a valorizar o meu trabalho. Em 1993 comecei a pintar com tinta a óleo. Em 1997 Licinha e sua família voltaram a residir em Uberaba e daí surgiu o convite para eu vir passara uma temporada aqui.

 

Reginaldo Pereira

 

3 – O que o fez optar pelo tropicalismo onde estilo?

Eu sempre gostei de plantas, flores, arvores frutíferas… tudo isso em abundância. No decorrer da minha infância, e agora há pouco tempo surgiu esse tema forte na decoração… Unindo tudo isso e o meu bem estar, minha paz – que foi tão difícil de conquistar –  passei a ter o meu estilo de trabalhar com as cores básicas. Fui criando uma harmonia, um equilíbrio e respeito de uma cor com a outra. Eu falo que minha tela é uma família.

O amarelo, vermelho, azul, preto e branco… e dessa forma essas cores me dão a possibilidade e expor todo esses valores, como a floresta, que vive sempre em harmonia e equilíbrio… Expresso a natureza desta forma, com muito amor, paz, respeito, compreensão e coragem. Tudo o que eu não tive antes, pela falta dos meus pais.

Muitas vezes quando estou trabalhando sinto que as tintas e a própria tela ficam impregnadas com o cheiro das bananeiras e das folhas; sinto o surgimento de uma sensação única, algo que eu ainda não o compreendo. Mas me envolvo numa atmosfera de felicidade plena por pintar cada tela e seus valores, com vida, com alma.

 

4 РQuais as exposi̵̤es mais importantes das quais voc̻ participou?

 

. A primeira exposição coletiva foi em Imperatriz. A Licinha me deu a oportunidade de expor 4 telas;

. Em 2010 no FESTIN, Festival de Cinema da Língua Portuguesa. No cinema São       Jorge, Lisboa, Portugal;

. No Evento Miss Brasil Portugal, no Casino de Estoril. Em Estoril, Portugal;

. Exposição na casa do Alentejo (Palácio Alverca) Lisboa Portugal;

. Em janeiro de 2015, Exposição em formato de vídeo, na 9ª edição o VAC, Verão Arte  Niemeyer,  Contemporânea, Museu tema Tropical, Belo  Horizonte Minas Gerais;

. Em 2017 Exposição de telas e móveis, loja Acierno, em Pinheiros;

. Exposição no Studio Bergamin, Santa Cecilia São Paulo.

 

 

5 – Que trabalhos mais te emocionaram?

Todo os que faço quando saio do estúdio e que envolvem outras pessoas. Eu vou até o local para fazer a pintura. Esse da loja Acierno, eu precisei ficar 11 dias em São Paulo pintando os móveis para a exposição. Outro, foi umacasa de praia estilo colonial, lugar paradisíaco em Ilhabela. Passei uma semana fazendo o trabalho com a decoradora e no final o Sr. Marcos dono da casa, depois de tantos elogios pela pintura… ficou sem palavras. Fiquei emocionado.

 

6 РQual o seu p̼blico alvo?

Meu trabalho não tem um público especifico. O que compreendi é que o resultado dessas cores com as quais trabalho causam uma sensação de bem estar. Eu sei que é muito agradável a gente ver algo bonito, que enche o ambiente de cores, vida, que acrescenta na decoração. Assim fui optando por telas de grandes formados, para trazer esse tropical de forma mais natural. Muitas pessoas já me falaram que minhas telas passam muita paz, m os olhos e acalmam a alma. Isso me deixa feliz.

A pintura é natural e simples pra mim. Meu foco é forma como as cores e o pincel movimentam na tela e não o retorno financeiro. Apenas sinto o desejo de pintar a tela e mostrar o meu trabalho por todo o mundo.

 

7 РAinda hoje, qual a sua principal fonte de inspira̤̣o?

Minha inspiração é sempre a felicidade! Assim: todo o meu olhar é puro e, tudo se revela… os movimentos das folhas longas, o contrastes de uma planta para outra, tudo o que tem beleza se mostra aos meus olhos…tudo se apresenta naturalmente, assim a minha obra tem vida.

 

8 – Como se sente expondo no Exterior?

É uma sensação de conquista do que já foi, um dia, um pequeno desejo: um olhar para uma estrela que risca o céu. Que o sonho do pequenino Regis pôde fazer…

Em minha vida tudo foi surgindo, as oportunidades através das pessoas que vêem algo especial em meus quadros. É como se esses pessoas tivessem o “dever” de fazer algo por mim, algo especial. Essa exposição em Bruxelas foi assim. Uma senhora de Brasília comprou uma tela e, logo mudou-se para Bruxelas. Ela teve o interesse de apresentar o meu trabalho por lá e organizou tudo. Vou ficar 35 dias na Europa, 7 na casa desta senhora.

 

9 – O que pretende daqui pra frente?

Sou uma pessoa muito feliz, grato…Sinto que tem algo muito especial em meu trabalho. Vem surgindo outra fase, outro público, e sou livre para ir ao encontro daquilo que eu acredito. Meu sonho é morar na Europa, no litoral, em uma cidade pequena.

 

 

Publicado em 19/02/18

Até mesmo no fim de semana Michel Temer trabalhou em pról de melhorar a própria imagem junto à população. Há dias ele vem se encontrando com seus principais conselheiros e assessores na tentativa de conseguir a melhor estratégia de comunicação para capitalizar politicamente e usar a intervenção no Rio, decretada na última sexta-feira.

Até agora seus principais interlocutores, o marqueteiro Elsinho Mouco e o cientista político e especialista em marketing Antonio Lavareda sopram no ouvido de Temer que  explorar o tema da violência para tentar diminuir o desgaste do seu governo – que tem altos índices de impopularidade – é a grande sacada.

Será que cola?

Foto Reprodução/O Globo

Publicado em 19/02/18

Guerreiras 2018 – Foto Francis Prado

 

A ideia de criar o grupo Doze Guerreiras, que prepara-se para ser uma ONG, surgiu depois que as empresárias Ana Paula Rodrigues e Viviane Quirino estamparam o Calendário Atma 2015. Elas foram tocadas pela iniciativa e quiseram propiciar a mesma emoção a outras mulheres que já venceram o câncer ou ainda estão em tratamento. Criaram o grupo e buscaram profissionais voluntários, apoiadores e patrocinadores para seguir com a ideia do Calendário idealizado pelas arquitetas Ale Rôso, Elisa Araújo e Jacqueline Potenza.

Calendário conta com o patrocínio da Unimed Uberaba e, também, com o trabalho dos profissionais voluntários Francis Prado (fotógrafa), Rose Dutra (jornalista) e Gio Mota (designer). Ele foi lançado no dia 17 de janeiro deste ano, com renda destinada para a Vencer Uberaba. As fotos do calendário estarão em exposição no Shopping Uberaba, com abertura marcada para o dia 5 de março, no mall, onde permanecerá até o dia 18, no Mês da Mulher. Desta vez, o Calendário traz 13 guerreiras, porque no mês de maio estão mãe e filha que superaram a mesma dor.

O calendário pode ser adquirido por apenas R$ 20 na Vencer (rua Governador Valadares, 629), no MZC (rua Goiás, 1031), na Malícia Modas (rua Artur Machado, 746) e nas unidades da Vovó Tuta.

Claudia Moutran é a guerreira de fevereiro no Calendário em
prol da Vencer – Foto Francis Prado

 

Saiba mais: www.rosedutra.blogspot.com.br

Publicado em 16/02/18

AMOR EM PEDAÇOS 

Receita de Jandira Moisés Abdalla

Ingredientes:

Massa:
4 chávenas de farinha de trigo
2 colheres de manteiga (bem cheias)
3 ovos
1 chávena de açúcar refinado
1 colher (sopa) de pó royal
1 pitada de sal
Amassar e deixar descansar

Recheio:
1 abacaxi moído
1 coco ralado (ou 100 g de Sócoco)
500 g de açúcar cristal
3 ovos
Deixar cozinhar bem até dar o ponto (começar a desgrudar da panela)

Montagem:
Abrir a metade da massa, com o rolo, e colocar na assadeira já untada. Colocar o doce e cobrir com a outra metade da massa. Levar ao forno para assar. Quando tirar do forno, passar sobre ele manteiga de leite e jogar açúcar refinado. Cortar em pedaços.
Esta receita é para uma assadeira grande.

Publicado em 07/02/18

Como vocês parecem ter adorado as flores de porcelana, camos ver agora mais flores.  E como tem gente criativa e com bom gosto pelo mundo, usando flores naturais e bouquets para noivas totalmente inéditos!!

Olhem quantas idéias legais sobre flores para adaptarmos por aqui!

Congeladas, assim mesmo não perdem a graça!

No detalhe do conjunto abaixo!

Que efeito maravilhoso!

 

 

Para marcar lugar!

Adoro esta mistura de frutas e flores!

Penduradas pelos barbantes de sisal

Simples e lindo!

Bambu e flores misturadas, chic demais!

Flores dentro da bananeira!

Um tapete de rosas

Bambus e suas flores

Origamis: ficou lindo!

E para arrematar este post dois bouquets diferentes, não são flores, mas substituem à altura as mesmas!

Publicado em 10/04/13
SOBRE MIM

Sou Virginia Abdalla, jornalista há mais de trinta anos. Ao longo desse tempo, assinei coluna social autoral, nos diários Jornal da Manhã e Jornal de Uberaba, trabalhando com conteúdo ético e abrangente. Espaço aberto para reportagens sociais e voltado também para comportamento, lifestyle, moda, cultura, gastronomia, ciências e tendências. Editei cadernos especiais de jornais e revistas, comandei programa de entrevistas em TV local e integro o quadro de colaboradores da publicação JM Magazine,  sempre procurando destacar pessoas pelo seu talento e fatos pela sua importância transformadora.
 Este é o foco do meu trabalho jornalístico, em prospecção para este Blog, on line desde 2012 - um novo e necessário caminho para fincar os pés no presente e tecnológico universo.
Sou graduada em Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Letras Santo Thomaz de Aquino - com especializações no setor - e pós-graduada em Educação Latu Sensu pela Universidade de São Carlos. Empresária, mãe, avó, filha e mulher que eventualmente se permite expressar através de produções de arte sustentável.

Tamareiras
Espaço A
Arquivo
  • expand2020 (37)
  • expand2019 (88)
  • expand2018 (129)
  • expand2013 (63)
  • expand2012 (492)

© 2020 Virginia Abdalla Blog . Todos os Direitos Reservados.
Powered by WordPress