Colaboração Alexandre Cury

 

“Um levantamento feito pela empresa inglesa GlobalWebindex mostrou que um terço dos brasileiros passou a cozinhar desde o início da quarentena – e comida de verdade, que privilegia os temperos frescos em vez dos desidratados e caldos caseiros em vez dos industrializados. Pedir pratos em restaurantes e lanchonetes ainda tem papel decisivo, obviamente: apenas em São Paulo, houve um aumento de 200% no uso dos aplicativos de delivery. Mas, com a reclusão furando mais tempo do que o esperado, muitas pessoas começaram a se entender melhor com as panelas. É o meu caso de amor com essa alquimia tão sedutora.”

Queremos saber:

“E você? É da turma da panelaterapia ou da tribo que prefere variar mais e pedir comida em casa?”

 

 

“Adoro a cozinha! Vejo várias receitas na internet, me inspiro, misturo receitas e crio algumas coisas… gosto de variar! Nada melhor do que preparar aquilo que me apetece! Geralmente, em dias de semana, procuro preparar pratos mais simples, leves e até vegetarianos. Durante o final de semana, aproveito para degustar massas, risotos, frutos do mar e harmonizar com bom vinho.

Mas não posso negar que também sou adepta  ao “fast food”. Com a correria do trabalho, quando chego tarde, com fome e com vontade comer aquele lanche ou pizza, apelo para o aplicativo. Super prático e rápido, uma salvação para estes dias!”

J̼lia Tahan Oliveira РAdvogada

 

“Eu sou definitivamente da turma da panelaterapia!!! E isso não me impede de variar o cardápio, ao contrário me incentiva a investir meu aprendizado e coragem fazendo novos pratos, por ingredientes que nunca imaginava manipular. Por exemplo: nesta quarentena já me aventurei por receitas “nunca antes navegadas”, como pães e confeitaria. Logo eu, doceiro como sou, nunca havia cozinhado nenhuma sobremesa ou doce qualquer. Agora já estou “me atendendo” também nesta área. E massas caseiras tem se tornado minha principal paixão. Como é gostoso você separar os ingredientes, fazer as alquimias das misturas, esperar o tempo necessário de fermentação, descanso, assamento e depois, o melhor de tudo, degustar sua própria fabricação! E preparar com antecedência molhos caseiros com os temperos da horta? Ah não tem preço! E não acho que precisamos nos apegar a poucas variedades de refeições, pois afinal de contas, o que não falta hoje nos canais de televisão, internet e redes sociais, são pessoas ensinando receitas novas e refazendo receitas antigas. Dá para variar e muito. Quem diria que um dia eu iria fazer pão recheado e o melhor pão de queijo de Minas Gerais?”

Geraldo Cortes Oliveira – Empresário

 

“Até há pouco tempo pensava-se que não seria mais necessário saber cozinhar, com tantas ofertas de produtos processados, industrializados e ao alcance do telefone: só pedir. Antes da pandemia, já havia a tendência, eu prefiro dizer inclusive “a direção”, de transformação do consumo para alimentos integrais, “alimentos de verdade”, uma alimentação mais artesanal, com ingredientes acessíveis e frescos, “alimentar-se com calma e alma” ,sabendo bem a procedência do alimento que se adquiriu. A pandemia da Covid-19 nos fechou em casa, fechou estabelecimentos e nos levou de volta à cozinha. Nunca houve tantas lives ensinando a cozinhar! A forma de nos alimentarmos mudou bastante diante da pandemia. Houve a desmistificação de preparar a comida: refeições, bolos, pães, doces, o que se quiser aprender. As pessoas se arriscaram e se reconciliaram com a cozinha, produzindo sua alimentação.

Estamos vivendo uma reinvenção à mesa. Os critérios para compra, tanto de gêneros alimentícios quanto para a comida já preparada mudou:  agora a qualidade dos ingredientes, os cuidados higiênico-sanitários passaram a ser parte e valores importantes na escolha, para o consumidor: tanto para insumos de preparações quanto para a comida pronta, de delivery, além da apresentação e sabor. A minha relação com a comida é estreita e vem desde a infância, achava muito curioso minha mãe amassar pão de queijo, juntando ingredientes diferentes, que produziam uma massa diferente e os pães de queijo assados saiam ainda mais diferentes do forno. O mesmo interesse me despertava com os bolos. Logo me vi apaixonada por essas transformações, essa alquimia que toca todos os nossos sentidos. No colégio (CNSD) tive aulas com a saudosa D. Lucy, a matéria: Alimentação e Nutrição, que me levou definitivamente para esse universo. Depois do curso de Nutrição, complementei com cursos de Cuisine, Pâtisserie e Sommelier. Adoro cozinhar, dar aulas, ensinar as pessoas a cozinharem, a se aperfeiçoarem, irem além das receitas. Nessa quarentena o que fiz bastante foi enviar receitas às muitas pessoas amigas que todos os dias me perguntavam o que fazer e como fazer. Acho que nunca fiquei tão ligada ao whatsapp. Em casa sempre cozinho e durante a quarentena cozinhamos mais que nunca, a família toda envolvida, com pratos simples a alguns elaborados, bolos, doces, tudo que tivéssemos vontade de comer. Cozinhar é terapêutico! Alimenta o corpo e a alma. Falta senti mesmo foram das aulas que ministro, as presenciais, quando coloco em pratica tudo isso e junto aos meus alunos e alunas, os Fellows_do_Comer, festejamos e honramos o prazer em fazer e comer, com muita alegria. Se alguma coisa as pessoas conquistaram, referente a alimentação, nessa pandemia? Ah, sim! Muitas conquistaram ou reconquistaram, definitivamente, o Território da Cozinha! Isso representa um valor muito grande para todos. Se bem é verdade, sempre poderemos recorrer a pedir um delivery (dentro desses novos antigos critérios), também é verdade que o algo teremos conquistado nesse período: o território da nossa própria cozinha.”

Maria Zita Teixeira Vale Ferreira – Sommelier

 

“Sempre gostei muito de cozinhar, fazer novos pratos, conhecer outros temperos. Com a pandemia e o advento do home office, me permitiu aventurar em novas e complexas receitas. Porém, nunca deixando de lado aquela comida específica que conseguimos através do delivery.”

Luiz Pessoa Vicente Neto – Servidor Público Federal

 

“Eu, sou da turma da panelaterapia. Adoro cozinhar, faço com o maior prazer , gosto de sempre estar aprendendo pratos novos.”

Gleice Valadares – Odontóloga

 

“Eu sou da turma que foi cozinhar…rsrsrs…mas fiz pesquisas, assisti os melhores cozinheiros… por exemplo decidi fazer codorna, nunca tinha feito, mas fiz um levantamento de como cada “Chef” fazia, os temperos que utilizavam, se marinava ou não, o tempo e como faria…então eu estudei e me aprimorei. A cada decisão de ir pra cozinha, de qual prato preparar, eu pesquisava tudo e me aventurava. Foi e está sendo incrível. Mas eu também prestigiei meus amigos que têm restaurantes, pois nesse momento temos que nos ajudar, então eu fiz vários pedidos nos restaurantes da cidade.

Mas enfim, eu fiz de tudo um pouco: vários tipos de molhos para acompanhamento, fritos, cozidos e assados e até pão eu fiz rsrsrsrsrs… Quando eu percebi estava fazendo várias coisas na cozinha. E eu amo fotografar os pratos que preparo, foi um momento bárbaro, pois sempre amei cozinhar e nesse período pude me dedicar mais a isso.”

Mariângela Destro – Concierge

 

“As reuniões da minha família sempre foram em volta da cozinha, minha mãe cozinhando pra muita gente. Ano Novo era na minha casa todo ano, com umas cinquenta pessoas esperando ansiosas pra começar a contagem regressiva do ano e se servirem do jantar preparado por ela. O Natal mudava de cidade e de casa, mas de longe também esperavam minha mãe decidir o cardápio e fazer o cálculo das quantidades. Nossos aniversários e de amigos com bolos maravilhosos feitos em casa – pela minha mãe – devorados em pouco tempo. Assim é a minha relação, da minha família e de quem conviveu de perto com a gente; pessoas que preferem fazer as compras no supermercado e cozinhar em casa, com todo mundo em volta da mesa jogando conversa fora, ajudando “picar” algum legume e esperando o jantar ficar pronto ou aquele pão de queijo com cafezinho “saírem”. Mas nesse momento delicado em que vivemos, em distanciamento social, as alquimias da minha mãe foram renovadas, ela resolveu aprender e testar receitas novas. Assim pães, roscas, “sonhos” e bolos diferentes saíram da mesma cozinha que antes sempre estava cheia de gente. A diferença é que minha mãe, Gleide, resolveu ouvir o que sempre todos falaram “tudo que você faz na cozinha é muito bom, qualquer coisa que fizer vai vender”. E assim estamos, agora com a cozinha com o dobro de formas, dispensa cheia de farinha de trigo e com minha mãe fazendo quitandas – que sempre foram maravilhosas – pra quem faz encomenda pra ela. Todos em casa aprenderam a cozinhar com a minha mãe a “comida de verdade”, sem procurar comida na rua, e hoje essa relação só intensificou com uma horta de quarentena em casa com temperos e quitandas como uma fonte de renda agora.”

Maria Gabryella – Fotógrafa

 

 

IMAGENS QUE SÃO NOTÍCIAS

Comemoraram Bodas de Ouro, o querido casal Francisco de Assis Gondim e Maria Auxiliadora de Rezende Gondim

Fruto da união do casal nasceram quatro filhos: Mônica, Luciano, Fernando e Tatiana. Eles comemoraram juntos esse momento de amor e união. Parabéns!!

Família querida de Marília e Marcos Montes em momento intimista!!

Enfeitando a coluna de hoje o querido Thader Daniel

A querida Cláudia Misson com as filhas Rafaela e Cecília na exuberante passarela aérea dos Hotéis Tamareiras!!!

FOFURÔMETRO – Benício, filho do casal Isabella e Felipe Bazaga, completou 9 meses de vida e explodiu o fofurômetro da semana!!

Marisa Faquim comemorou o niver ontem e recebeu o carinho do filho, o querido Guilherme Faquim!! Parabéns !!

No último dia 30, a competente arquiteta Ana Flávia Quirino soprou velinhas e recebeu o carinho da família e amigos!!! Ela está ansiosa para o CasaShopping 2020, onde ela assina o projeto do Restaurante da mostra. Parabéns !!!
FOTO: ALEX PACHECO

A arquiteta Lorena Fiuza soprou velinhas na última sexta feira!! Ela também estará no CasaShopping 2020, onde assina o projeto da Cozinha Gourmet, onde serão apresentados os Cook Show da mostra!! Parabéns !!!
FOTO: ALEX PACHECO

Cristiana Terra soprou velinhas no último dia 02 e recebe nosso carinho!! Parabéns!

Dinâmica Elaine Xavier sopra velinhas hoje e recebe o carinho especial desta coluna. Feliz Aniversário!!

Soprando velinhas hoje também o médico Murilo Rodrigues. Parabéns!

MENSAGEM DA SEMANA

 

Acesse também em: www.jmonline.com.br

Publicado em 06/07/20
SOBRE MIM

Sou Virginia Abdalla, jornalista há mais de trinta anos. Ao longo desse tempo, assinei coluna social autoral, nos diários Jornal da Manhã e Jornal de Uberaba, trabalhando com conteúdo ético e abrangente. Espaço aberto para reportagens sociais e voltado também para comportamento, lifestyle, moda, cultura, gastronomia, ciências e tendências. Editei cadernos especiais de jornais e revistas, comandei programa de entrevistas em TV local e integro o quadro de colaboradores da publicação JM Magazine,  sempre procurando destacar pessoas pelo seu talento e fatos pela sua importância transformadora.
 Este é o foco do meu trabalho jornalístico, em prospecção para este Blog, on line desde 2012 - um novo e necessário caminho para fincar os pés no presente e tecnológico universo.
Sou graduada em Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Letras Santo Thomaz de Aquino - com especializações no setor - e pós-graduada em Educação Latu Sensu pela Universidade de São Carlos. Empresária, mãe, avó, filha e mulher que eventualmente se permite expressar através de produções de arte sustentável.

Tamareiras
Espaço A
Arquivo
  • expand2020 (43)
  • expand2019 (88)
  • expand2018 (129)
  • expand2013 (63)
  • expand2012 (492)

© 2020 Virginia Abdalla Blog . Todos os Direitos Reservados.
Powered by WordPress